Sobre o AVESSA

1560549_606084846128595_2096137507_n

De cadernos rasurados, filosofias solitárias e inspirações introvertidas: assim surge o AVESSA.

Avessa é o feminino poético aqui usado para a palavra Avesso. Avesso significa ‘oposto, ao contrário de algo’. Vem do latim ADVERSUS que quer dizer “virado para fora”, de AD, “a”, mais VERSUS, particípios passado de VERTERE, “virar, fazer dar a volta”.

‘Dar a volta’ é romper com o cômodo de estar sempre no mesmo lugar. Explorar esse adverso nos permite aprofundar em nós mesmos e nas densas reflexões que habitam nosso fundo que por vezes não nos permitimos notar. Por isso, precisamos do avesso, do diferente, do divergente, pois é o que nos faz enxergar o que antes estávamos cegos para ver e nos faz mergulhar em busca do pensar. O necessário pensar, tão em falta em um mundo que age, fala e vive por impulsos e sob o chicote de horas contadas por uma máquina projetada pra trancafiar a alma.

E o divergente não pode ser trancafiado – somos almas rebeldes. O divergente caminha ao lado do avesso com as letras ao seu lado rumo as primaveras ainda por vir. E é nesse caminho em que encontra o antagônico. Não o antagônico,que é o mero oposto maniqueísta que afirma algo, silenciando outro, mas aquele que permite revelar o que a pressa e a certeza das coisas não permite. Esse desacelerar nos passos tidos como certos nos traz o ‘vertere’, que nos faz ir ao avesso e virar’ para irmos além de seres estáticos de certezas compradas e sorrisos de plástico.

Não busco certezas – Busco a dúvida. Busco os pontos de interrogação que habitam a humanidade em silêncio esperando ser vistos entre os tão amados pontos finais. Busco a MULHER, num mundo majoritariamente masculino e falocêntrico. O avessa é um pássaro silencioso buscando libertar-se das prisões que a sociedade em que vive impõe. Me disseram que não posso muitas coisas por ter nascido mulher, mas eu tenho dançado com dragões e hespérides entre rosas azuis. Enquanto adulta, falante mas introvertida, crítica e agridoce, me permiti amar meu avesso, e assim, descobri meu lado certo – enquanto mulher, enquanto poetisa e enquanto feminista.

‘Quem é você?’, pergunta a Lagarta para Alice. Eis o que também pergunto. O avessa quer ser um casulo de pensamentos a ser construídos em reflexões de cores diversas.

Assim, convido a todxs a virarem do avesso: sejam bem vindxs ao Avessa!

Anúncios